Lletor Ageven

História

Resumo da história (detalhes e etc mais adiante, quando estiverem prontos):

Lletor nasceu no Reino Branco, humano filho de um mago de grande poder, Ardol. Ardol desenvolveu um ritual que associado a uma magia de grande poder, como Desejo, o transformaria em um semideus.

O ritual exigia o sacrifício de um parente próximo, e para isso Ardol dominou uma mulher de uma vila próxima para que essa lhe desse um filho. Após o nascimento da criança e as preparações do ritual, Ardol e seu grupo de magos assistentes realizaram os encantamentos, que falharam miseravelmente, matando todos os participantes e destruindo completamente a torre de Ardol.

Dias depois, um monge ex-aventureiro encontrou as ruínas da torre, e no meio delas estava Lletor, ironicamente o único sobrevivente da conjuração, portando ainda as inscrições do ritual, tatuadas em seu corpo. O homem, Ayato, levou Lletor consigo e após encontrar um lugar tranquilo, criou o menino como se fosse seu filho.

Lletor cresceu aprendendo tanto combate desarmado, ensinado por Ayato, quanto filosofia, ciência e arcana, conhecimentos presentes nos livros de um companheiro do monge, que morrera durante as aventuras de ambos. Aos 20 anos, Lletor deixou sua casa para buscar o significado dos símbolos em seu corpo, e o paradeiro de seus pais.

Descrição: Lletor é um homem de 20 anos, cerca de 1,80m, cabelos longos e castanhos e olhos verdes. Seu treinamento marcial é notável no seu porte atlético, e movimentos rápidos. Torso, braços e pernas são cobertos por tatuagens de runas e símbolos arcanos, que geralmente estão escondidas sob roupas longas.

Lletor é muito disciplinado, e acredita que obstáculos devem ser enfrentados com o mínimo de esforço possível, e jamais com qualquer julgamento antecipado. Ele tem poucos amigos, mas possui uma lealdade quase inabalável com seus aliados.

Em combate, Lletor mantém a mesma aparência calma, em contraste com seu estilo marcial rápido e acrobático, que inclui chutes altos e baixos, e golpes explosivos com as palmas das mãos.

Um diário semi-destruído

*As páginas do pequeno livro vermelho estão queimadas ou manchadas de sangue. As datas são ilegíveis, mas as entradas parecem estar em ordem cronológica. As letras brilham quando lidas, indicando que o diário foi escrito com algum tipo de magia.*

"Meus servos terminaram as últimas runas que faltavam, mas descobrimos que o ritual precisa de um catalisador bastante inconveniente: uma alma similar àquela que deverá ascender. Imagino que um parente próximo seja suficiente, algo como um filho talvez. Após anos criando esse ritual, não será um obstáculo menor como esse que irá nos parar. Visitarei uma vila próxima hoje, vejamos quão poderosos são meus encantamentos de dominação."

"Está feito. Em alguns meses terei meu catalisador. Meus servos começaram desde já as preparações para o grande dia."

"O catalisador foi trazido à minha torre hoje. Meus servos tatuam as inscrições arcanas em seu corpo enquanto escrevo. Ironicamente, a criança se parece bastante comigo, embora tenha os olhos azuis de sua progenitora. De certa maneira, amanhã sacrificarei minha própria carne, mas elevarei meu espírito."

"…continuando com o registro do ritual. Posso sentir a energia emanando das runas. A ascensão está próxima! Em nossas mãos logo est- O que é isso? Não, não pode haver falhas! Concentrem-se no rit-AAAARGH! Está fora de contr-"

Registro de Mishima Ayato

"Logo chegarei a Duth. A viagem tem sido longa, mas mais prazerosa do que esperava. De certa maneira, esta é minha última aventura, e me sinto como um iniciante novamente."

"Lárin deve ter me guiado até esta cidade. Durante o último dia de viagem, encontrei ruínas do que parece ser uma torre. Ao investigar o local, encontrei apenas uma criança entre os escombros, sem ferimentos mas com tatuagens estranhas em todo o seu corpo. Não sei o que aconteceu aqui, mas pelo estado da torre, é um milagre que alguém tenha sobrevivido. Decidi trazer o menino comigo. Ele se chamará Lletor, como Tiari queria."

"Cheguei hoje a Duth, e conheci meu novo lar. Como o mercador havia dito, a casa é um tanto antiga, mas nada que um conserto e uma limpeza pequenos não resolvam. Ela é mais afatastada do resto da vila, então teremos bastante calma aqui. Preparei um quarto para Lletor com uma estante para os livros e pertences de Tiari. Sua memória estará sempre próxima de mim, e de nosso filho."

"Hoje foi o quarto aniversário de Lletor. Às vezes me pergunto se ele não se sente sozinho morando aqui, afinal não há muitas outras crianças, mas quando ele sorrie me chama de pai, eu acho que não nos falta nada. Ele me viu fazendo alguns exercícios outro dia, e desde então tem tentado imitar os movimentos, quase sempre caindo ou derrubando alguma coisa. Prometi que quando ele crescer eu vou ensiná-lo, e isso me lembrou que quando ele crescer eu devo contar-lhe que eu não sou seu pai verdadeiro."

"Lletor me surpreendeu hoje, me acordando ao recitar pela casa um dos livros de Tiari. Ele só tem 5 anos, e lê quase perfeitamente um livro altamente complicado! Eu acredito que ele tem muito potencial, até pensei em levá-lo para a capital, mas não temos dinheiro para uma escola de alto nível. Decidi que tentarei ensiná-lo tudo que sei, como meu mestre fez comigo há tanto tempo."

"Quase não encontro tempo para escrever agora. Lletor já tem nove anos, e treinamos todos os dias durante a manhã. Após almoçarmos, eu o ensino a filosofia que meu mestre um dia me ensinou, e nós discutimos às vezes toda a tarde. O menino amadureceu muito rápido, e compreende conceitos que adultos teriam dificuldade numa velocidade incrível. Hoje discutimos sobre os deveres dos pais, e eu contei a ele sobre como o encontrei. Ele apenas sorriu, e me disse "Você pode não ter me dado corpo, mas me deu mente e espírito. Você é muito mais que apenas meu pai." Eu o abracei, e desejei que Tiari pudesse ver como nosso filho cresceu."

"Sugeri hoje a Lletor que mantivesse um diário como faço. Ele gostou da idéia, e logo começou a escrever, mas em runas estranhas. Quando lhe perguntei onde ele havia aprendido aquela linguagem, ele me mostrou um dos livros de Tiari, escrito no que acredito ser Dracônico. Tiari possuía outra cópia do mesmo livro, em Comum, e Lletor aprendeu a língua comparando ambos. Ele também progride muito bem em nossos treinamentos diários, já dominando boa parte do básico dos estilos que lhe ensinei. Ele será forte e ágil logo se continuar nesse ritmo, mais do que eu mesmo fui em minha juventude."

"Fui a uma vila próxima, Tyon, para negociar os frutos de nossa pequena propriedade, e trouxe Lletor comigo. Enquanto negociava com um mercador, dois jovens obviamente bêbados saíram da taverna próxima, e trombaram em minhas caixas, caindo sobre várias frutas podres. Lletor se ofereceu para ajudá-los, mas eles se irritaram e saltaram sobre ele, socando seu rosto várias vezes. Lletor não se moveu, e eles correram ao avistar um guarda que se aproximava. No caminho de volta perguntei a Lletor porque não os enfrentou, e ele me disse que não queria estragar nossa imagem em Tyon, pois isso atrapalharia os negócios que tínhamos lá."

"Já faz alguns dias desde que voltamos de Tyon, e para minha surpresa, encontrei nossos campos em chamas, e os dois bêbados da outra vez, agora armados. Lletor já estava acordado e enfrentava os dois homens, empunhando uma pequena foice. Os homens o desarmaram rapidamente, e ele abandonou o disfarce, derrotando ambos com poucos golpes. Nós apagamos as chamas e entregamos os homens à guarda, e enquanto volatávamos Lletor me pediu desculpas, temendo que sua "demonstração" trouxesse ainda mais problemas. Eu lhe disse que não havia mal em lutar para proteger algo que lhe fosse importante, seja esse algo uma vida ou um simples campo de trigo."

Diário de Lletor Ágeven

"Tentei novamente entender os significados de minhas tatuagens. Compreendo que são de natureza arcana de algum modo, mas nenhum dos livros de minha mãe foi suficiente para traduzi-las. Desde criança, elas cresceram comigo, embora tenham mudado ligeiramente, cobrindo atualmente meu tórax, costas, e parte das pernas e braços. Eu geralmente as escondo quando estou fora de casa, não sei o que outros pensariam ao ver as runas."

"Estive pensando em buscar saber mais sobre meus pais no futuro. Não Ayato e Tiari, mas os que vieram antes. Meu pai me contou sobre como me encontrou, e acredito que meus outros pais e essas tatuagens talvez estejam relacionados. Discuti minha idéia com meu pai durante nosso estudo hoje, e ele disse que me apoiaria, contanto que eu voltasse às vezes para contar-lhe sobre minhas viagens. Ter um pai ex-aventureiro certamente tem suas vantagens."

"Cheguei muito próximo de derrotar meu pai hoje, quando jogávamos Go. Minhas peças ao final estavam muito separadas, e ele pôde capturar um por um os grupos. Nós discutimos como o jogo poderia representar qualquer pessoa: feita de vários grupos distantes uns dos outros. Unir esses pedaços nos faria melhores e mais fortes, como eu mesmo fiz durante minha vida, unindo mente e corpo como meu pai me ensinou. Quem sabe outro passo pode ser dado unindo meu passado e meu presente?"

"Amanhã é o dia das sombras, e como o clérigo de Duth está ocupado, tentei realizar o ritual de proteção eu mesmo. Funcionou melhor do que eu esperava para uma primeira vez, mas após o término das runas, eu me surpreendi. Minhas tatuagens pareceram se mover, e novas runas apareceram e se somaram às antigasem meus braços. Rapidamente chequei os livros por alguma pista do motivo, mas fui incapaz de descobrir qualquer pista, afinal, já havia lido os mesmos tomos muitas vezes no passado. Não consigo deixar de pensar que Lárin deixou estas marcas em mim como uma pista de meu passado."

"Hoje deixo minha casa para buscar meu destino. Meu pai sugeriu que eu começasse por Tyon, e de lá estendesse minhas viagens para lugares mais distantes. Levo comigo meus pertences, e os presentes de meus pais: pergaminhos contendo técnicas que ainda devo treinar, e conhecimentos que ainda devo entender. Nada mais é preciso, pois Kamina Ayato e Tiari Ageven estão comigo."

Pré-Aventura

Lletor tinha saído de casa tomando o cuidado de despedir-se de seu pai educadamente e carinhosamente. Talvez fosse somente uma impressão, mas o jovem viu lágrimas escorrendo daquele que havia lhe criado tão bem durante toda sua vida. Mas Lletor estava focado em descobrir sobre suas origens e saiu sem olhar para trás.
O jovem estava excitado sobre sua nova aventura.

Ao final da tarde, Lletor fez uma pausa para a cerimônia do chá. Essa era tradição em sua casa, costume esse que Ayato trouxe de sua longínqua terra natal e passou para o jovem aprendiz. Esse era um momento de reflexão sobre o que ocorrera no dia e sobre os assuntos a serem acabados. Lletor pensava em como encontraria sua origem carnal. Ayato mencionara que ele o havia encontrado em uma ruína perto de um bosque então esse seria o primeiro lugar a procurar. Mas aí veio a dúvida do que fazer quando achasse a tal torre e encontrasse pistas. Finalmente, Lletor decidiu que só saberia a resposta quando chegasse a hora, pois tudo nesse mundo segue seu curso naturalmente.

Tyon estava perto, mas a noite já caíra então Lletor decidiu passar a noite ali na natureza mesmo. Não era a primeira vez que fazia isso, mas dessa era diferente. Algo, talvez no ar ou em sua determinação, fazia com que ele se sentisse mais livre. A noite passou e Lletor, quando percebeu, já havia acordado bem cedo. Ele arrumou suas coisas, tomou seu chá matinal e partiu.

Não mais que uma hora Lletor andou até chegar em Tyon. A cidade estava mudada desde a ultima vez que ele estivera aí alguns meses atrás, tinham muito mais pessoas perambulando pelas ruas. E algo estava estranho no ar. O corpo de Lletor começava a esboçar uma ligeira reação aquela cidade, coisa que não acontecera das últimas vezes. Perguntando para os locais sobre as tais ruínas, ninguém parecia saber. Resolveu então ir para o mercado pois lhe disseram que lá havia um vendedor que tinha a disposição mapas de toda a região e poderia saber alguma coisa sobre as ruínas.

No mercado, a multidão era a manifestação do caos. Muitas pessoas em um único lugar e gritando…nada daquilo era comum ao jovem monge, acostumado com o silêncio do campo e a paz encontrada em um bom livro. Facilmente encontrou o comerciante do qual ouvira falar, ele era o único vendendo livros naquele mercado. Depois de consultar alguns mapas e conversar com o comerciante, Lletor nada descobriu. Mas o comerciante lhe dera outra pista: o dono da Canto Azul, Rhontar era um antigo habitante da cidade e ele poderia conhecer alguém que conhecesse tal local abandonado.

Já na Canto Azul, Lletor encontrou o taverneiro, Rhontar, que usou seu bordão aparentemente muito usado: "Como posso ajudá-lo, chefe?". Rhontar era um homem simpático e parecia feliz com a movimentação da cidade e, por consequência, de sua taverna. Ao ser questionado, Rhontar não soube responder sobre as ruínas, mas informou que existia outra pessoa interessada nelas. O taverneiro apontou para a mesa do lado exatamente oposto ao da entrada da taverna, lá havia uma humana sentada em uma mesa coberta de livros e outros papéis e uma flor de coloração azulada. O nome da garota era Trisha, informou Rhontar assim como informou que ela havia chegado há dois dias e poderia ter descoberto alguma coisa.

Lletor se aproximou, então, da mesa da humana que aparentava não ter percebido sua presença tamanho era seu foco no que estava fazendo. Ela vestia uma calça de couro marrom e um corpete vermelho pouco chmativo e usava um monóculo, ora para prender o cabelo, ora para examinar os papéis. O jovem monge se apresentou e começou a questionar a humana.

Ela era uma pessoa bastante interessante, parecia ter um conhecimento bastante profundo sobre várias coisas e uma curiosidade insaciável por teses arcanas sobre as quais Lletor identificou sobre a mesa com um passar de olhos. A garota informou que era exatamente na localização de tais ruínas que ela estava trabalhando, pois aparentemente há vários anos existia lá um culto que poderia estar ligado a sequestros e assassinatos e, como um palpite pessoal, poderia estar também ligado a ataques estranhos que haviam acontecido em várias localizações do continente.

O assunto era interessante, não fosse por Lletor ser encontrado naquela torre. Mas antes de poder tirar qualquer conclusão, Lletor ouviu barulhos de cavalos apressados do lado de fora da taverna. Seguido deles, o barulho de vidro se estilhaçando. Olhando para trás, Lletor vê que as janelas da frente da taverna foram quebradas por um projéteis de metal com um barbante faiscante na ponta. Trisha, movida pela curiosidade, correu até um dos projéteis. De repente, ela vira para todos ta verna com uma expressão de desespero e grita: "CORRAM!"

Diário de Lletor Ageven

Tyon caiu. O que resta na pequena cidade é uma coleção de casas destruídas e crateras, deixadas pelos aparatos explosivos.

Pouco depois de chegar à cidade, estranhas carroças invadiram as ruas, e homens estranhos arremessaram pequenos projéteis que explodiram boa parte das construções, matando muitos dos habitantes e visitantes. Após ajudar Trisha, a estudiosa do arcano que havia acabado de conhecer, saí atrás de uma das carroças, seguido por outro amigo da maga, Yuran, um elfo de cabelos prateados.

Alcançamos a carroça após ela se chocar com outra, e outras pessoas que seguiam a outra carroça conseguiram render um dos homens encapuzados. Removi da cabeça do homem o que parecia ser um dispositivo que o mataria se falhasse, e o interroguei junto com os outros: Thorian, um clérigo de Hartol; Yuran; Ardeth, um mercenário que servia de escolta; e Lyan, um aventureiro, imagino, que passava por Tyon.

Descobrimos que o homem e os outros atacantes eram escravos, e foram forçados a atacar Tyon. Segundo ele, eles ficaram em uma fazenda nos arredores, e fomos até a mesma logo em seguida. A propriedade pertencia a Yrthal, um comerciante local, e após derrotar alguns guardas, descobrimos que o homem estava preso na sua casa. Ele nos atacou quando entramos, então foi necessário que ele fosse retirado do lugar inconsciente. No celeiro descobrimos mais dos aparelhos de punição, confirmando a história do escravo, e uma carta que indicava Uthar como local de encontro.

Retornando a Tyon, conseguimos de Yrthal o nome Jemmer, aparentemente um funcionário que o traiu, e saímos para investigar o bosque próximo, onde um cavaleiro que nos viu na propriedade de Yrthal havia sumido.

No bosque, a sensação estranha que vinha desde Tyon aumentou, e ao caminhas entre as árvores, tive uma visão mostrando a localização da torre que procurávamos. Segui o caminho que vi, nos levando às ruínas da torre, camufladas por runas. No subterrâneo, derrotamos um humanóide estranho, e vasculhamos um laboratório alquímico, sem grandes descobertas.

Ao chegar ao topo, tive outra visão, mas muito diferente. Na visão, algum tipo de ritual de grande poder estava acontecendo, mas era interrompido de alguma maneira e falhava espetacularmente, destruindo a torre. Apenas o sacrifício sobrevivia, e na visão seguinte era levado da torre por um homem de olhos amendoados, confirmando minhas suspeitas: eu era o sacrifício. O homem que conduzia o ritual era meu pai, Ardol, tendo me concebido com uma mulher de Tyon para me usar como componente.

Deixamos a torre, levando alguns objetos valiosos encontrados. Após discutir o acontecido com Trisha e os outros, decidimos ir a Uthar para descobrir mais sobre isso. Aparentemente não sou o único envolvido: o diário mencionava um artefato mágico levado por Ardeth, e Thorian também estava em busca de algo relacionado com o culto ao qual Ardol pertencia.

Claramente há algo em nossos destinos que nos fez estar em Tyon, e eu quero saber o quê.

Mini-quest

Antes de partir para Uthar, Lletor reservou um tempo para pensar nos seus próximos passos. Enquanto andava pela cidade destruída, tentou encontrar informações sobre sua mãe, sabend agora que ela era de Tyon. No entanto, sem um nome ou mesmo uma descrição, ele só tinha uma informação: a cor verde de seus olhos, compartilhada por sua mãe.

Ao passar em frente a uma das muitas ruínas, a sensação que aparecera no bosque voltou, com grande força. Levando a mão ao rosto, Lletor parou, olhando para a casa destruída. Saltando sobre os destroços, nao demorou muito para que visse algo brilhante sobre o que parecia ser um armário. Lletor pegou o pequeno pingente, e imediatamente se viu deitado em uma cama, na mesma casa. As paredes agora estavam de pé, e ele podia ver ao seu lado uma mulher de olhos verdes, usando o pingente. A porta se abriu, e um homem entrou, tomando Lletor nos braços, com um sorriso no rosto. A mulher levantou um dos braços na direção de seu filho, e Lletor pôde ver que seus olhos estavam completamente vazios. Quando o homem virou-se para ir embora, o monge se viu novamente na casa destruída.

A jóia, um pequeno colar banhado a prata com uma pequena pedra verde, era agora a primeira pista de Lletor. Ao olhar a pedra de perto, ele viu o reflexo de um vulto que se aproximava, empunhando uma faca. O monge esperou até que ele atacasse, desviando com o menor movimento possível, e rapidamente derrubando o atacante com um golpe no estômago. O homem caiu sobre os destroços, e quando Lletor se aproximou para continuar os ataques se necessário, ele grunhiu:

- Ladrão miserável! Já não basta o que fizeram com minha casa?!

Lletor parou, sem baixar a guarda.

- Você mora aqui?

Após algumas desculpas, o homem, Cortus, contou que morava sozinho, depois que sua prima, Kalen, foi expulsa após ter um filho com um desconhecido. Lletor contou que essa prima era sua mãe, e Cortus contou sobre como ela ficara fora de casa por alguns dias sem motivo, e da gravidez descoberta pouco tempo depois. Após ter o filho, o pai de Cortus a expulsou daquela casa e ela deixou Tyon.

Cortus não sabia dizer para onde ela fora, e disse não se importar, afinal Kalen havia envergonhado sua família. Lletor não contou a ele sobre Ardol ou a dominação, afinal ele provavelmente não acreditaria em nada, e ofereceu uma quantia em ouro pelo pingente. Cortus aceitou imediatamente, recebendo mais que o dobro do valor da jóia pelas informações. Lletor deixou o homem e voltou ao templo, para se preparar para a viagem a Uthar. Embora pequena, ele tinha uma pista agora.

Treinamento

Escrevo sobre meu treinamento para que algum dia um discípulo possa aprender o que meu pai me ensinou. Nestes pergaminhos, a arte que praticamos é imortal.

Relembro o princípio da ação sem ação. Um artista completo deve saber quando agir e quando não agir. Além disso, deve compreender a ação natural das coisas, como o crescimento de um árvore ou o movimento do sol no céu. A compreensão desses conceitos o faz ser capaz de derrotar oponentes sem atacá-los, ou jamais ser atingido, sem se defender.

Existem várias maneiras de se chegar a esse entendimento em um combate: algumas através da persuasão, outras utilizando meios sobrenaturais como magias ou mesmo a força vital que permeia qualquer ser vivo. Meu pai me ensinou uma das mais simples, o Lago.

O Lago é eternamente calmo. Se atacado, por uma pedra, ou mesmo pela chuva, sua superfície apenas ondula, e seu interior não se altera. Logo ele retorna a seu estado inicial, seu atacante absorvido pelo movimento suave das águas. Aplicado ao combate, o Lago permite o fluxo dos ataques através de si, movendo-se apenas no último instante. Com o mesmo movimento, ele conduz seu oponente a um dos outros trigramas, ou diretamente ao solo, onde ele jaz, derrotado.

Diário de Lletor Ageven

Chegamos a Uthar. A cidade é maior que Tyon, mas menos movimentada. O grupo estava cansado da viagem, então a primeira visita na cidade foi a estalagem. Não eram as camas que nos esperavam lá, mas sim uma mulher cujo filho foi raptado por algum tipo de monstro. As camas foram trocadas rapidamente por uma investigação.

Na casa da mulher, Tamyra, encontramos uma pedra vermelha, que seu marido teria recebido como pagamento por um trabalho, e uma pedra negra, que talvez tivesse sido carregada pelo atacante. Logo descobrimos que outras pessoas também tinham sido atacadas, e todas tinham alguma conexão com o tal trabalho em uma mina. Estranhamente, ninguém era capaz de lembrar a localização da mina, ou os detalhes do trabalho realizado.

Eventualmente encontramos um dos trabalhadores, e ao descobrir que ele não havia sido atacado ainda, corremos para sua casa. No caminho, um vulto nos ultrapassou, voando em alta velocidade. Chegamos muito tarde, pois o monstro já havia levado a esposa do homem. Depois de conversar mais, descobrimos que todas essas famílias tinham sido afetadas por uma doença na época da mineração, e que monges de um monastério próximo ajudaram com a cura. No dia seguinte, após deixar as pedras com um joalheiro para identificação, viajamos para o templo.

Enfrentamos uma chuva que rapidamente aumentou no caminho para o templo. Fomos recebidos pelos monges, mas assim que entramos eles nos cercaram, empunhando armas. Felizmente, um instrutor os acalmou, e nos explicou o que havia acontecido: um grupo de monges havia sido atacado por algum monstro com garras e que voava. Antes que nós pudessemos contar o que sabíamos, o teto ruiu e as mesmas criaturas de antes nos atacaram. Fomos salvos por uma forma serpentina de fogo que destruiu grande parte dos oponentes. O responsável pelo encanto era Kaoria, o Grão-Mestre atual do templo.

Nós explicamos a ele o que sabíamos, e ele nos disse que o Grão Mestre anterior tinha deixado uma mensagem, que previa que algo maligno atuava na montanha, e que um tal Filho da Tempestade traria a expulsão dessa força. Ficou decidido que iríamos investigar o local onde os monges foram atacados, e fomos descansar, enquanto Thorian permaneceu acordado conversando com Kaori.

No dia seguinte, soubemos que Thorian já tinha partido, então seguimos apenas Lyan e eu, com Kaori nos dizendo que Thorian nos alcançaria. Do local onde os monges foram atacados seguimos um rastro de sangue até uma caverna. Assim que chegamos à entrada, tive um pressentimento. Como antes, alguma coisa acontecia ali, algo mágico, e poderoso. Entramos com cuidado, e eventualmente alcançamos uma sala circular onde o ritual que pressenti acontecia. Ajudado por várias criaturas aladas de pedra (gárgulas, como depois saberíamos), um homem conduzia o que parecia ser as almas das pessoas raptadas para um tipo de garrafa. Ao nos ver, ele deixou a sala, bloqueando a outra saída com uma muralha de pedra. As gárgulas viraram-se na nossa direção, uma delas com runas vermelhas envolvendo o corpo.

Eu e Lyan nos preparamos para uma batalha impossível, mas subitamente o teto desmoronou sob uma chuva de relâmpagos, e no meio deles surgiu Thorian, mas não parecia o Thorian com o qual estavamos acostumados. Sua pele era azulada, seus cabelos e olhos faiscavam, e ele empunhava uma espada bastarda em forma de relâmpago.

Os raios destruíram a maioria das gárgulas, deixando apenas a que possuía as runas. O último raio caiu sobre Thorian, e se partiu em outros dois, atingindo Lyan e eu. No instante que o raio tocou meu peito, eu senti como se algo fluísse por todo o meu corpo. Minha pele ardeu debaixo das tatuagens, e meus dedos faíscaram com eletricidade. Eu podia ver o mesmo efeito na espada de Lyan. Eu relembrei imediatamente meu treinamento, e a forma do Trovão, um dos trigramas que menos puder usar. Essa era a hora perfeita. Investi como um relâmpago sobre a gárgula, e depois de uma curta batalha nós a destruímos.

Após enterrar os corpos que encontramos na caverna, o joalheiro nos deu algumas informações úteis. Havia uma lenda sobre um mago que foi preso em um cristal similar à pedra vermelha, um tipo de quartzo, que encontramos. Aparentemente a mina onde essa pedra foi escavada era assombrada, e esse fantasma pode ser a alma do tal mago. Isso explicaria também o medo dos ex-trabalhadores da cidade. Em breve investigaremos a mina, com a ajuda de Kaori.

Miniquest

Enquanto o grupo se preparava, e os monges reunião os componentes para realizar o ritual que indicaria a localização da mina, Lletor ficou uma semana no monastério Kerthon, treinando com os monges dali. Embora seus estilos fossem diferentes (os monges eram especialistas em várias armas), ele pode refinar várias técnicas, e com a ajuda de alguns monges proficientes em bestas ou arcos, ele aprimorou sua defesa contra projéteis.

Enquanto treinava várias das formas que seu pai havia lhe ensinado, o Grão-Mestre Kaori aproximou-se para assistir. Ao ver Lletor estudar cuidadosamente os golpes que aplicava em um alvo de madeira, Kaori aproximou-se, colocando-se entre o alvo e Lletor.

"Tente com um oponente um pouco mais móvel."

Lletor colocou-se na posição do Fogo, e lançou vários golpes rápidos, que Kaori desviou ou bloqueou sem dificuldade. Enquanto lutavam, o Grão-Mestre começou a falar.

"Ouvi que também estuda o arcano. O que pode me dizer sobre runas de aprisionamento?"

O treinamento continuou pelo resto da tarde, com ambos discutindo variados temas arcanos enquanto duelavam. Eventualmente Kaori também passou a atacar, e Lletor se defendeu como podia, mesmo contra um oponente muito mais experiente.

Com o passar dos dias, o mesmo treinamento se repetiu algumas vezes, com a discussão passando a rituais, e eventualmente a um ritual específico. Lletor começou a praticar o que ouvia enquanto treinava após cada sessão, testando várias fórmulas arcanas diferentes, com conceitos que não tinha visto ou compreendido nos livros de Tiari.

Após algumas sessões, Kaori o orientou a testar o que havia aprendido com um dos monges. O monge empunhou dois sabres curvos e finos, que brilharam com o calor que emanava de suas mãos. Kaori o advertiu.

"Não é sábio permitir que os sabres o atinjam muitas vezes, Lletor. Eles possuem um alcance maior que o de seu punho, e o queimarão se não os derrotar rapidamente."

"Não conheço apenas o trigrama do Fogo, Grão-Mestre. Thorian inconscientemente me ensinou muito naquela caverna. Não tinha a velocidade ou o impacto que possuo agora, graças aos seus ensinamentos, mas agora posso utilizar o Relâmpago, como ele."

Assim que Kaori abaixou seu braço, acenando para que começassem, Lletor inclinou o corpo para a frente, e em uma explosão de vento, sua forma tornou-se um borrão, disparando na direção do oponente. Ele não teve tempo de cruzar os sabres para se defender, sendo acertado no meio do torso por um chute de Lletor, que deixou uma marca de fogo sobre o local acertado. O oponente cambaleou, sem fôlego. Lletor investiu novamente sobre ele, sem a mesma velocidade de antes, mas assim que sua palma o tocou, o golpe se tornou uma explosão de chamas, queimando o uniforme do oponente e jogando-o inconsciente sobre o solo. Kaori aplaudiu o duelo, sorrindo.

"Impressionante! Você dominou o Selo do Fogo do qual falamos, e além disso estendeu o básico por trás dele para um Selo de outro elemento. Uma pena que não consegui fazê-lo treinar com nossas armas!"

Com a ajuda do Grão-Mestre, Lletor aperfeiçoou os dois rituais enquanto os preparativos finais para a busca pela mina eram feitos. Lletor tinha agora duas armas a mais contra qualquer inimigo que o esperasse naquela montanha.

Diário de Lletor Ageven

Nas últimas semanas não tive tempo de escrever, devido ao treinamento e principalmente aos acontecimentos fantásticos de que fiz parte. Resumo aqui as memórias desses dias, pois acredito que apenas um resumo será suficiente para que eu as relembre em uma ocasião futura, dado o seu impacto.

A mina que investigamos era realmente a prisão de um poderoso mago, mas não o terror que nos foi descrito. O mago, Gahein, era membro de uma ordem arcana bondosa, a Cruz de Prata, e nós nos tornamos amigos rapidamente. Pouco depois de o libertarmos, fomos convidados para um baile de máscaras, que decidimos ser uma oportunidade interessante para descansar e obter informações para alguns de nós.

No baile, todos os participantes foram feitos reféns por um grupo de criminosos descontentes com o trabalho na região. Os rebeldes em si eram pouco mais que camponeses com bestas, mas tinham o apoio de alguns mercenários, muito mais habilidosos e melhor equipados. A situação tensa se agravou ainda mais quando um dos nobres presentes foi morto em seu quarto, o que transformou a mansão em uma guerra. Na confusão derrotamos os mercenários, e os seguranças foram capazes de conter o restante dos rebeldes, não sem várias mortes de ambos os lados.

Depois da confusão, atraído pela sensação que tenho ao redor de magia de grande poder, fui ao telhado, onde o líder do Culto que perseguíamos se mostrou. Ele me convidou para uma conversa a sós, antes de desaparecer magicamente dali. Decidi ir à essa conversa, levando comigo Kaori por precaução. O líder pediu minha colaboração em um ritual para trazer de volta Ardol, mas encontrou apenas a minha recusa e ataques meus e de Kaori. Ele regenerou-se rapidamente e saiu do local calmamente, após nos impedir de segui-lo com algumas magias.

Voltando da caverna onde enfrentamos o líder, me reuni com o restante do grupo e recebemos uma mensagem de Trisha, que nos encontraria com informações. Ela chegou após alguns dias, e Gahein desapareceu pouco depois, deixando um bilhete que indicava que estava sendo controlado pelo Culto. Trisha nos contou sobre uma fábrica, local que seria responsável pela construção dos artefatos explosivos que destruíron Tyon.

Infiltramos a tal fábrica, mas logo encontramos Gahein, e ele realmente estava sendo controlado pelo Culto. No entanto, sua força de vontade permitiu que ele resistisse o suficiente para não nos matar, e eventualmente alcançamos o líder e alguns cultistas no interior da construção. Gahein subjugou o controle mental, e ativou uma runa sobre seu peito, sacrificando-se para destruir a fábrica e libertar os escravos que trabalhavam nela. O líder escapou pouco antes de ser afetado também pela última magia de Gahein.

Enterramos Gahein, prestando nossas homenagens a seu sacrifício, e retomamos a busca ao Culto. Após alguns incidentes pelo caminho, com ladrões e até mesmo gigantes "roubando" vacas, tive um sonho induzido pelo Visionário, mostrando que eu seria preso em algum tipo de construção. Encontramos a construção mais a frente, outra daquelas fábricas, mas dessa vez muito maior. Após checar uma das entradas e notar que ali realmente era o local de meu sonho, saímos do local. Antes de chegarmos à próxima cidade, encontramos outro membro da Cruz de Prata, Mahel, e após conversarmos com ele, decidimos investigar novamente a fábrica.

Lá, o sonho se realizou, e acabamos aprisionados quando nem mesmo as magias de Mahel puderam nos transportar das salas trancadas.

Amarrados, sem quaisquer de nossos equipamentos e até mesmo magias, e com Mahel inconsciente, o líder ofereceu uma troca: eu ajudava a trazer Ardol de volta e os outros poderiam ir. Eu sabia que se o ajudasse, meus companheiros seriam os próximos alvos, mas Trisha acenou, indicando que tinha um plano, e eu aceitei a oferta, sendo levado para um altar, como em minha infância.

O ritual começou, e eu vi minha alma ser arrancada do meu corpo. Um braço vermelho monstruoso agarrou minha alma pelo "braço", e uma dor excruciante tomou minha mente até que uma luz como a de antes me envolveu, puxando minha alma dali, não antes da garra vermelha arrancar meu braço esquerdo, e a dor me deixar inconsciente.

Acordei em uma planície estranha, com um humano com asas me ajudando a levantar. Ele me disse que alguém me esperava, e eu o segui até uma fonte, onde uma mulher me esperava. Era Tiari, que eu só conhecia das descrições de meu pai e dos livros que costumava ler quando mais jovem. Conversamos por um bom tempo, e ela me explicou sobre como Ardol residia em meu corpo, e que assim que voltasse ele ficaria preso no braço esquerdo que perdi. Os celestiais do plano de Tulli, onde eu estava, forjaram uma manopla que me ajudaria a manter Ardol preso, e me alertaram que se eu morresse, Ardol tomaria o controle logo depois. Levando alguns presentes de minha mãe, voltei ao plano material e a meu corpo, agora com uma manopla cobrindo totalmente o braço esquerdo.

Após libertar Mahel dos encantamentos que o prendiam, ele nos levou à Torre de Ermaras, para descobrirmos mais sobre nossos inimigos. Trisha e ele continuariam suas pesquisas lá, e nós sairíamos em busca de um suposto ex-membro do Culto após descansar e aprender alguns truques com meu braço esquerdo.

A caça ao ex-membro eventualmente nos levou a enfrentar criaturas diabólicas, e o Visionário novamente induziu um sonho: dessa vez, um labirinto e após ele um mundo de céus vermelhos e terra árida. Encontraríamos a entrada para esse lugar em uma caverna, onde também encontramos o suposto ex-membro, sendo morto por um estranho tipo de ferrão.

Do outro lado do portal por onde o ferrão aparecera, encontramos o labirinto e o mundo árido, e eventualmente encontramos também o assassino do mago, um ser esquelético e alto, com um ferrão ensanguentado na ponta de um longo rabo. Ele nos levou a seu mestre, que nos convidara para oferecer informações em troca de alguns serviços. O tal mestre era um Lorde das Profundezas, um diabo de grande poder, que aparentemente gostava de Ardol tanto quanto eu.

Realizamos os serviços que ele nos pediu, não antes de combates difíceis e quase mortais. O diabo nos contou sobre como Ardol erguera um exército de diabos leais a ele enquanto sua alma estava no abismo, e nos contou as fraquezas e poderes da sua raça, os baatezu. Deixamos rapidamente o lugar após ter as informações, agora que sabíamos que além do culto, diabos nos atacariam também.

Na terra dos elfos

Laren e Ioril eram guardas do palácio real há pouco tempo, mas já estavam acostumados aos visitantes mais comuns, até porque poucos vinham até o topo das muralhas, de onde os dois vigiavam o horizonte. Claro que tudo muda, e com a chegada dos amigos de Faldrin, Laren e Ioril agora observavam dois malucos se socando e chutando, saltando nos limites da muralha. Se algum caísse, restariam apenas os cabelos presos em um rabo de cavalo em qualquer forma reconhecível.

E eles ainda conversavam como se tomassem chá.

- Então você conheceu sua mãe? Linda, não é? - o mais velho dos dois saltava de pedra a pedra, equilibrando-se facilmente, enquanto lutava.

- Sim! Você não parece nem um pouco surpreso, pai. Você sabia que ela nos observava? - O mais novo não se equilibrava tão facilmente, mas não parecia se importar muito com onde pisava mesmo assim.

- Não - ele sorriu, desviando-se de um chute - Mas imaginava. Também gostei de ver seu avanço nas técnicas que lhe ensinei. Queria eu saber esses truques com espíritos que você tanto conta!

- São úteis. Mas me falta muito ainda, especialmente se pensarmos que um dia terei que enfrentar Ardol e seu braço direito no Culto - O mais jovem desviou-se bruscamente de um golpe rápido do pai, e por um momento pareceu que seu pé se apoiou no ar, e não na pedra.

- Tenho alguns truques que talvez você ache úteis. Mas antes, acho que precisa se lembrar de algumas coisas básicas. Por exemplo, tomar cuidado com a sua volta, você quase derrubou o guarda de cabelo ruivo com o último golpe! - os elfos se entreolharam, ambos longes demais pra serem acertados por qualquer um dos dois, e nenhum dos dois com um fio sequer de cabelo ruivo.

- O quê? - o jovem fitou os elfos - Ambos são loi-

- Primeiro básico. Preste atenção em todos ao redor, mas principalmente a seu oponente - recitou o mais velho, varrendo as pernas do filho de cima das pedras da muralha com um chute rápido.

Os elfos correram para impedir que ele caísse para a morte, mas ele caiu alguns metros e parou, como se tivesse caído em um andar mais baixo que não existia. Os elfos olharam enquanto ele voava de volta à muralha, como se subisse uma escada invisível.

- Ei! Eu poderia ter morrido ali! Você não sabia que meu selo me permitia andar sobre o ar!

O mais velho sorriu.

- Não. Mas imaginava.

Artes Marciais - Punho dos Oito Trigramas

O estilo de Lletor e seu pai, o Punho dos Oito Trigramas, como o nome sugere, é dividido em vários Trigramas, cada um dos quais serve um propósito dentro e fora de combate. Eles representam não apenas posições e técnicas, mas sentimentos e filosofias que ajudam o praticante a conhecer o mundo e a si mesmo.

Os Trigramas são Céu, Vento, Água, Montanha, Terra, Montanha, Fogo e Lago. Cada um possui uma posição específica para o combate, além de técnicas variadas. Lletor ainda combina seus rituais a essas formas, tornando o estilo mais complexo e letal.

O Lago representa a calma, a estagnação, a satisfação. Está relacionado a vários princípios de agir apenas se provocado, reação inconsciente, entre outros. Em combate o praticante usa de movimentos curtos e fluidos para se esquivar do oponente enquanto desvia sua força de modo a fazê-lo perder o equilíbrio. Lletor é pouco proficiente na parte física deste Trigrama, embora conheça e aplique a filosofia por trás dele em suas ações. Rituais que impedem ou dificultam os movimentos ou ataques de um oponente se encaixam neste Trigrama também.

O Relâmpago é o completo oposto do Lago, representando a excitação e revolução. Está relacionado a atacar primeiro, a nunca ser pego de surpresa. Em combate sua forma dá ênfase a movimentos explosivos de longa distância, como investidas e saltos, e mais raramente contra-ataques devastadores em curtas distâncias. Lletor é bastante proficiente nesse Trigrama, usando-o frequentemente para começar (ou terminar) um combate. Rituais como Momentum e Golpe Esmagador se encaixam nas técnicas do Relâmpago.

O Fogo representa a luz, o sol, a rapidez. Relaciona-se com alguns dos princípios do Relâmpago, mas enquanto o Relâmpago prega que desafios sejam encerrados com uma solução imediata e exata, o Fogo recomenda múltiplas soluções que se adaptem ao problema, como um incêndio que jamais se apaga. Em combate, o Fogo é uma torrente de ataques rápidos, impedindo o oponente de fazer qualquer coisa que não seja se defender. Rituais relacionados são os Selos do Fogo, obviamente, e as técnicas de conjuração rápida que Lletor desenvolveu usando suas tatuagens como foco.

O Céu representa a infinidão acima de tudo e todos. O trigrama representa o pensamento amplo, considerando todas as variáveis, e em combate o Céu empurra seus oponentes para longe, expandindo a área de combate e removendo emboscadas e ataques pelos flancos. Rituais que aumentem alcance ou arremessem inimigos para longe são preferidos neste Trigrama.

O Vento é flexível e capaz de penetrar até mesmo rocha, mesmo quando gentil. A diplomacia e outras artes das palavras são muito praticadas nesse trigrama, embora poucos artistas marciais desenvolvam esse tipo de técnica. Em combate, o Vento utiliza ataques com pouca ou nenhuma força, mas que quebram ossos enfraquecidos e destroem pontos vitais. Técnicas como Ataque Atordoante e Mão Vibrante, além de rituais como os Selos do Vento e outros que permitam flexibilidade são muito utilizados no vento. Lletor é bastante proficiente neste selo, embora não seja treinado na arte das palavras.

A Água, diferentemente da calma do Lago, representa os perigos das corredeiras e do abismo do oceano. Diferentemente do Vento, a Água é violenta e traiçoeira, intimidando seus oponentes e atacando individualmente até que sejam derrotados. Ironicamente, quando calma, a superfície da Água reflete a beleza do mundo, trazendo entendimento e completude. Rituais que intimidem representam a primeira faceta da Água, e os Selos representam a segunda. Lletor enfatiza a faceta de entendimento e cura em seu estilo.

A Montanha é a rocha, eternamente imóvel. Palavras ou violência são incapazes de retirar o artista que conhece este trigrama de seu caminho. Em combate, ele não desvia e nem absorve os golpes, retornando tudo que recebe com mesma força. Praticantes de outros estilos acreditam que essa postura é tolice, mas aqueles que enfrentam o trigrama nunca terminam o combate sem alguma fratura em seus braços ou pernas. Rituais e técnicas que refletem dano ou que atacam com grande força são muito utilizados neste trigrama.

A Terra recebe e absorve tudo que é lhe dado, da força que todos fazem para dar um passo até as sementes que alimentam os reinos. Assim como a Montanha, a Terra não se esforça para desviar ataques ou insultos, mas ao invés de reponder com a mesma força, a Terra os absorve completamente. Um inimigo atacando um praticante da Terra se descobriria sem forças após vários golpes sem nenhum efeito. A Terra possui poucas técnicas ofensivas, mas alguns praticantes sao capazes de absorver a força vital e até mesmo a vontade de lutar de um oponente com um mero toque. Os Selos da Terra são o melhor exemplo de técnica desse trigrama, e Lletor também usa sua Manopla da Retenção para imitar as técnicas de absorção ofensivas.

Fichas

Primeiro Nível

Monge 1

Tendencia LN

For 18 +4
Dex 16 +3
Con 14 +2
Int 16 +3
Sab 14 +2
Car 10 +0

Pericias: Conc +6, Conhec (arcano) +7, Conhec (natureza) +7, Conhec (historia) +7, Saltar+8, Acrobacia +6, Observar +6, Ouvir +6, Ident Magia +7

Talentos: Ataque Poderoso, Inic Apr

PEs: +3 pontos normais (3), 4 perícias a mais de classe (2), Perito (3), Sensor Mágico (2)

Nível Atual

Tipo/Tamanho: Humano/Médio
Classe: Monge 10
DVs: 10d8+40 (101 PVs)
Iniciativa: +9
Deslocamento: 18m (10qd)
CA: 31 (+5 Des, +5 Armadura,+3 Armadura Natural, +3 Deflexão, +2 Sabedoria, +3 Monge), toque 23, surpreso 26
BBA/Agarrar: +10/+15
Ataques: Ataque Desarmado +18/+13 (2d6+9), Rajada +17/+17/+12 (2d6+9)
Espaço/Alcance: 1,5m/1,5m 
AE: Ataque Atordoante (CD 17), Ataque Ordeiro, Evasão Apr, Integridade Corporal, Rajada
QE: Sensor Mágico, Queda Lenta 15m
TR: Fort+14/Refl+15/Von+12
Hab.: For 21, Des 20, Con 18, Int 20, Sab 15, Car 10
Perícias: Concentração +17, Saltar +18, Conhecimento (Arcano, Geografia, Natureza) +18, Ouvir +15, Identificar Magia +18, Observar +15, Acrobacia +18
Talentos: Ataque Poderoso, Esquiva, Mobilidade, Foco em Arma (Atq Desarmado), Imobilização Apr, Iniciativa Apr.
Tendência: LN

Conhecimentos : Arma Juramentada (Ataque Desarmado), Mestre dos Selos

Estilos de Luta: Guerreiro do Chi 3, Mestre Ritualista 3

Equipamento: Amuleto de Armadura Natural +3, Anel da Deflexão +3, Anel dos Três Desejos sem cargas (Kanae), Chave Torre de Ermaras, Cinto da Cons +4, Crânio de Jade (Tiari), Faixas do Chi (Ayato), Kit Aventureiro Feliz, Manopla da Força do Ogro +2, Manto da Resistência +3, Pedaço de Cânhamo (Ugarak), Poção de Curar Graves, 8 Poções de Curar Leves, Poção de Nublar, Poção de Presa Mágica, Robe Ágeven (+4 Des/Int, +5 CA Natural, Duro de Matar), Tocha da Chama Eterna, Vestes do Monge, Ácido

Componentes de Ritual
1º Selo da Água 4
1º Selo da Terra 4
1º Selo do Ar 3
1º Selo do Fogo 4
2º Selo da Água 7
2º Selo da Terra 7
2º Selo do Ar 7
2º Selo do Fogo 7
Escudo de Energia 8
Explosão Elétrica 6

Experiência: 53650
POs: 14500

Progressão

6- Mestre dos Selos, Imob Apr, Comb 2 Armas (ou Estudioso do Poder Místico)

8-Int +1

9-Esquiva, Mem Rit Apr (no 10º), Mobilidade

12-Int+1, Ataque em Movimento, Ataque Chi Aprimorado

13- Experiencia Bélica

15-Agarrar Apr, Ataque Desarmado Aprimorado

16-Int +1

17-(talento livre)

18-(talento livre), (conhec livre)

20-Int +1

Ficha Preliminar DnDnext

Lletor Ágeven

Nível: 11

Raça: Humano

Características de Raça: +1 em todos os atributos

Habilidades: For 18, Des 16, Con 14, Int 16, Sab 14, Car 10

Classe: Monge

DVs: 11d8+22 (88 PVs)

Iniciativa: +8

Deslocamento: 9m (6qd)

CA: 15 (+3 Des, +2 Sab)

Bônus de Ataque: +3

Ataques: Ataque Desarmado +8 (1d6+5)

Habilidades de Classe: Ki 5/dia (recupera com short rest), Unarmored Defense (Sab na CA), Flurry of Blows (1Ki - +1 ataque em uma ação de ataque), Unarmed Strike, Expertise (+1d8 em testes de Des), Slow Fall (Reaction – reduz 11 de dano de queda; se gastar 1Ki reduz 55), Monastic Tradition (Way of the Four Elements), Step of the Wind (1Ki – aumenta o deslocamento em 4,5m neste turno e pode andar sobre superfícies verticais ou líquidos), Stunning Strike (acerto – 2Ki – sucesso em um TR de Cons ou stunned por um turno), Clear Mind (vantagem contra charm ou frighten), Two Attacks, Purity of Body (imune a doenças)

Conhecimentos: +14: Arcano, Proibido

Talentos: 2: Ki Elemental, Alert

Tendência: LN

Ki:

Usos Diários: 5

CD: 15

Monastic Tradition: Way of the Four Elements

Habilidades: Wind Riposte (Reaction – 1Ki – um oponente que acertou um ataque no personagem faz um TR de For ou é empurrado 4,5m)
Shelter of the Flowing River (1Ki – vantagem em um teste de resistência de For, Des ou Cons)
Grasp of Stone (acerto – 1Ki – alvo faz TR de For ou será agarrado, todos os ataques desarmados do personagem contra este inimigo acertam automaticamente enquanto agarrados, mas os golpes do inimigo têm vantagem contra o personagem)
Vortex Punch (acerto – 1Ki – linha de 15m faz TR de For ou tomam 1d6 de concussão e caem)
Touch of Stony Doom (acerto – 1Ki – alvo faz TR de Cons ou ficará vulnerável a Concussão por um minuto)
Spirit of the Tsunami (Ação – 1Ki – cone 4,5m faz TR de Cons ou sofrem 1d10 Concussão e caem, sucesso reduz dano a metade)

Novos Talentos:

Ki Elemental:
Pré-Requisitos: Way of the Four Elements
Benefícios: O personagem escolhe duas habilidades diferente ao invés de uma do Way of the Four Elements

Tatuagens Arcanas:

O personagem tem tatuagens em todo o corpo, elas funcionam como itens mágicos e ocupam slots de tais. Cada tatuagem dá uma habilidade diária ao portador, mas esta habilidade pode ser usada com o gasto de Ki.

Selo Elemental
Nível Mínimo: 1
Slot: Um Anel
Habilidade: Punho Elemental – 1/dia – Ação – O personagem faz um ataque desarmado contra um oponente. Este ataque causa 2d8 de dano de um dos seguintes elementos: Fogo, Frio, Elétrico ou Ácido. No 10º nível o dano passa a ser 4d8.

Selo do Ar
Nível Mínimo: 5
Slot usado: Botas
Habilidade: Voar – 1/dia – Ação – Como a magia Fly.

Escudo de Energia
Nível Mínimo: 1
Slot usado: Um Anel
Habilidade: 1/dia – Swift Action – Durante um minuto o personagem tem resistência a dano cortante, perfurante e de concussão.

Faixas do Ki

Luvas. Artefato Lendário.

Poderes Menores: Gleaming (nunca fica sujo), Guardião (+2 Iniciativa), Inquebrável.

Poderes Maiores: O ataque desarmado do personagem é considerado uma arma +1. Uma vez por dia.
Sintonia Espiritual – 1/dia - Swift Action – Durante um minuto, sempre que o personagem gastar uma utilização de Ki, ele faz um teste de Sabedoria (CD 5+o nível mínimo que o personagem deve ter para usar a habilidade em questão), caso o teste seja bem sucedido, a utilização de Ki não é gasta.

Lletor Ágeven – D&D 5e – Elemental Monk

Características Básicas

Raça/Tipo: Humano
Características de Raça +1 em todos os atributos, +1 talento
Tendência: Leal e Neutro

Defesas

CA: 15 (+3 Des, +2 Sab)
PVs: 88 (11d8+22)
Movimento: 15m (10qd)

Habilidades

For 18 (+4), Des 16 (+3), Cons 14 (+2), Int 16 (+3), Sab 14 (+2), Car 10 (+0)

Proficiências, Sentidos e ND

Proficiência: +4
TRs: Força +8, Destreza +7
Antecedentes: Sage
Perícias: Arcana +7, História +7, Acrobatics +7, Athletics +8, Investigation +7, Nature +7, Perception +6
Ferramentas: 1 Artisan´s
Línguas: Comum +2
Sentidos: Percepção Passiva 16
Nível/ND: 11 (85000XP)

Habilidades Passivas

Unarmored Defense: Quando sem armadura e escudo, adiciona modificador de Sabedoria na CA.
Martial Arts: Pode usar Força ou Destreza para ataques desarmados ou com armas do monge. Dano Desarmado 1d8. Bônus Action: Se usar a ação de Ataque desarmado ou com arma de monge, faz um ataque desarmado.
Ki: 11/descanso. CD 14.
Unarmored Movement: Deslocamento +6m. Pode andar sobre superfícies verticais e sobre líquidos sem cair durante o movimento.
Monastic Tradition: Way of the Four Elements
Slow Fall: Reduz dano de queda por 55.
Extra Attack: Quando realiza ação de Ataque, faz um ataque adicional.
Ki-Empowered Strike: Ataque desarmado conta como mágico.
Evasão: Quando realizar TR de Destreza para reduzir dano a metade, não toma dano se passar e só metade do dano se não passar.
Purity of Body: Imune a doenças e venenos.
Disciple of the Elements: Máximo de Ki gasto em uma magia do Way of the Four Elemts é 4.

Ações

Ataque: Desarmado +9 (1d8+5)
Flurry of Blows: Ação Bônus: se usou ação de ataque, pode fazer dois ataques desarmados. Consome 1 Ki.
Patient Defense: Ação Bônus: pode usar a ação Defesa. Consome 1 Ki.
Step of the Wind: Ação Bônus: pode usar as ações Dash ou Disengage. A distância de pulo é dobra neste turno. Consome 1 Ki.
Deflect Missiles: Reaction. Reduz dano de um ataque a distância com armas por 1d10+3. Se reduzir dano a zero, pode gastar 1 Ki para lançar em um inimigo a distância (6m/18m), com um ataque a distância com Proficiência.
Stunning Strike: Quando acertar um inimigo, pode gastar 1 Ki para tentar atordoar, o alvo faz TR de Constituição ou ficará atordoado até o final de seu próximo turno.
Stillnes of Mind: Ação. Retira um efeito de Charmed ou Frightened.
Elemental Attunement: Ação. Faz um truquinho com um dos quatro elementos.
Fangs of the Fire Snake: Attack Action. Gasta 1 Ki para tornar dano desarmado em dano de fogo e aumenta alcance para 3m. Gastar Ki adicional aumenta dano de um ataque por 1d10/ki adicional.
Fist of Unbroken Air: Ação. Gasta 2 Ki para alvo a 6m fazer TR de Força ou recebe 3d10 de concussão +1d10/Ki adicional (ou metade de passar) e pode ser empurrado 6m e cair (sucesso evita os dois efeitos.
Water Whip: Ação. Gasta 2 Ki para alvo a 9m fazer TR de Destreza ou recebe 3d10 de concussão +1d10/Ki adicional (ou metade se passar), e cair ou ser puxado por até 4,5m (sucesso evita o efeito).

Talentos (3)

Magic Initiate: Conhece Shocking Grasp e Firebolt. 1/dia pode conjurar Shield.
Ritual Caster: Você tem um livro de rituais de Mago e pode copiar outras magias com tag Ritual, usando 50 POs por nível da magia e 2 horas por nível da magia. Você pode conjurar estas magias como rituais.
Skilled: Ganha Proficiência nas Perícias: Investigation, Nature, Perception

Itens e Outras Habilidades

Faixas do Ki: Artefato Lendário. “Luvas”. Enquanto usando as Faixas do Ki, o ataque desarmado de Lletor é considerado uma arma mágica +1. Lletor pode usar uma habilidade do monge que utilize Ki (de qualquer Caminho e nível) como se a conhecesse e sem gasto de Ki; após usar esta habilidade, role 1d6 e um resultado de 1-4 não permite mais a sua utilização neste dia.

Magias

CD: 16
Ataque: +8
Cantrips: Shocking Grasp, Firebolt.
Preparadas: Shield (1/dia). Rituais: Alarm, Illusory Script, Identify, Tenser´s Floating Disk, Gentle Repose, Magic Mouth, Feign Death, Leomund´s Tiny Hut, Phantom Steed, Water Breathing, Contact Other Plane, Rary´s Teleathic Bond, Drawmij´s Instant Summons.

Lletor Ágeven – D&D 5e – Elemental Monk Remastered

Características Básicas

Raça/Tipo: Humano
Características de Raça +1 em todos os atributos, +1 talento
Tendência: Leal e Neutro

Defesas

CA: 18 (+4 Des, +4 Sab)
PVs: 99 (11d8+33)
Movimento: 15m (10qd)

Habilidades

For 12 (+1), Des 18 (+4), Cons 16 (+3), Int 14 (+2), Sab 18 (+4), Car 10 (+0)

Proficiências, Sentidos e ND

Proficiência: +4
TRs: Força +5, Destreza +8
Antecedentes: Sage
Perícias: Arcana +6, História +6, Acrobatics +8, Athletics +5, Investigation +6, Nature +6, Perception +8
Ferramentas: 1 Artisan´s
Línguas: Comum +2
Sentidos: Percepção Passiva 18
Nível/ND: 11 (85000XP)

Habilidades Passivas

Unarmored Defense: Quando sem armadura e escudo, adiciona modificador de Sabedoria na CA.
Martial Arts: Pode usar Força ou Destreza para ataques desarmados ou com armas do monge. Dano Desarmado 1d8. Bônus Action: Se usar a ação de Ataque desarmado ou com arma de monge, faz um ataque desarmado.
Ki: 11/descanso. CD 16.
Unarmored Movement: Deslocamento +6m. Pode andar sobre superfícies verticais e sobre líquidos sem cair durante o movimento.
Monastic Tradition: Way of the Four Elements (Remastered)
Slow Fall: Reduz dano de queda por 55.
Extra Attack: Quando realiza ação de Ataque, faz um ataque adicional.
Ki-Empowered Strike: Ataque desarmado conta como mágico.
Evasão: Quando realizar TR de Destreza para reduzir dano a metade, não toma dano se passar e só metade do dano se não passar.
Purity of Body: Imune a doenças e venenos.
Initiate of the Way: Conhece os Cantrips: Control Flames, Gust, Mold Earth.
Disciple of the Elements: 6. CD 16.
Adept of the Way: Pode gastar até 5 Ki para aumentar os efeitos do Way of the Four Elements.

Ações

Ataque: Desarmado +9 (1d8+5)
Flurry of Blows: Ação Bônus: se usou ação de ataque, pode fazer dois ataques desarmados. Consome 1 Ki.
Patient Defense: Ação Bônus: pode usar a ação Defesa. Consome 1 Ki.
Step of the Wind: Ação Bônus: pode usar as ações Dash ou Disengage. A distância de pulo é dobra neste turno. Consome 1 Ki.
Deflect Missiles: Reaction. Reduz dano de um ataque a distância com armas por 1d10+3. Se reduzir dano a zero, pode gastar 1 Ki para lançar em um inimigo a distância (6m/18m), com um ataque a distância com Proficiência.
Stunning Strike: Quando acertar um inimigo, pode gastar 1 Ki para tentar atordoar, o alvo faz TR de Constituição ou ficará atordoado até o final de seu próximo turno.
Stillnes of Mind: Ação. Retira um efeito de Charmed ou Frightened.
Fangs of the Fire Snake: Attack Action. Aumenta a distância do ataque desarmado para 3m e torna o dano de fogo até o começo do próximo turno. Pode gastar 1 Ki para adicionar 1d10 de fogo a cada ataque que acertar.
Fist of Unbroken Air: Attack Action. Aumenta a distância do ataque desarmado para 4,5m até o começo do próximo turno. Pode gastar 1 Ki para empurrar o alvo 3m e fazê-lo cair.
Eyes of Fire: Ação Bônus. Gasta 2 Ki para ter Truesight 18m por Concentração (máximo 1 minuto)
Crushing Hand of the Mountain: Ação. Gasta 2 Ki para conjurar Earthen Grasp.
Ride the Wind: Ação. Pode gastar 3 Ki para conjurar Fly em si mesmo, mas o deslocamento de vôo é igual ao deslocamento terrestre do monge.
Water Prison: Ação. Pode gastar 4 Ki para conjurar Watery Sphere.

Talentos (3)

Magic Initiate: Conhece Shocking Grasp e Firebolt. 1/dia pode conjurar Shield.
Ritual Caster: Você tem um livro de rituais de Mago e pode copiar outras magias com tag Ritual, usando 50 POs por nível da magia e 2 horas por nível da magia. Você pode conjurar estas magias como rituais.
Skilled: Ganha Proficiência nas Perícias: Investigation, Nature, Perception

Itens e Outras Habilidades

Faixas do Ki: Artefato Lendário. “Luvas”. Enquanto usando as Faixas do Ki, o ataque desarmado de Lletor é considerado uma arma mágica +1. Lletor pode usar uma habilidade do monge que utilize Ki (de qualquer Caminho e nível) como se a conhecesse e sem gasto de Ki; após usar esta habilidade, role 1d6 e um resultado de 1-4 não permite mais a sua utilização neste dia.

Magias

CD: 14 para Mago, 16 para Way of Four Elements
Ataque: +6
Cantrips: Shocking Grasp, Firebolt, Control Flames, Gust, Mold Earth.
Preparadas: Shield (1/dia). Rituais: Alarm, Illusory Script, Identify, Tenser´s Floating Disk, Gentle Repose, Magic Mouth, Feign Death, Leomund´s Tiny Hut, Phantom Steed, Water Breathing, Contact Other Plane, Rary´s Teleathic Bond, Drawmij´s Instant Summons.
Control Flames: Cantrip. Ação. 18m. Somático. Instantâneo ou 1 hora. Controla chama de 1,5m podendo mudar de lugar, apagar, dobrar a área de iluminação, cor, e criar formas.
Gust: Cantrip. Ação. 9m. Verbal, Somático. Instantâneo. Criatur Média faz TR de Força ou empurrada 1,5m. Ou Mover Objeto pequeno até 3m. Ou controlar o ar toscamente.
Mold Earth: Cantrip. Ação. 9m. Somático. Instantâneo ou 1 hora. Controla terra de 1,5m podendo escavar, criar formas, muda terreno difícil para normal e vice versa.
Earthen Grasp: 2º nível Transmutação. Ação. 9m. Verbal, Somático, Material. Concentração (até 1 minuto). Mão agarra criatura, que faz TR de Força ou Restrained e toma 2d6 de concussão. Conjurador pode usar ação para causar 2d6 de dano de concussão ou mudar de alvo. Alvo pode usar ação para repetir TR.
Watery Sphere: 4º nível Conjuração. Ação. 36m. Verbal, Somático, Material. Concentração (até 1 minuto). Cria esfera de água de 3m de raio que pode flutuar até 3m de altura. Criaturas dentro da esfera fazem TR de Força ou ficarão Restrained dentro da esfera, sucesso expulsa as criaturas da esfera. Esfera pode conter 4 criaturas médias ou 1 criatura Grande. Alvos Restrained podem repetir TR no final de seus turnos. Criaturas Restrained em excesso são expulsas e caem (ou quando a magia acaba). Com uma Ação, conjurador pode mover a esfera 9m em linha reta, podendo afetar outras criaturas (cada criatura só pode ser afetada uma vez por turno.

Lletor Ágeven – D&D 5e – Ritualista

Características Básicas
Raça/Tipo: Humano
Características de Raça +1 em todos os atributos, +1 talento
Tendência: Leal e Neutro

Defesas

CA: 18 (+4 Des, +4 Sab)
PVs: 99 (11d+33)
Movimento: 15m (10qd)

Habilidades

For 12 (+1), Des 18 (+4), Cons 16 (+3), Int 14 (+2), Sab 18 (+4), Car 10 (+0)

Proficiências, Sentidos e ND

Proficiência: +4
TRs: Força +5, Destreza +8
Antecedentes: Sage
Perícias: Arcana +6, História +6, Acrobatics +8, Athletics +5, Investigation +6, Nature +6, Perception +8
Ferramentas: 1 Artisan´s
Línguas: Comum, Dracônico, Infernal
Sentidos: Percepção Passiva 18
Nível/ND: 11 (85000XP)

Habilidades Passivas

Unarmored Defense: Quando sem armadura e escudo, adiciona modificador de Sabedoria na CA.
Martial Arts: Pode usar Força ou Destreza para ataques desarmados ou com armas do monge. Dano Desarmado 1d8. Bônus Action: Se usar a ação de Ataque desarmado ou com arma de monge, faz um ataque desarmado.
Ki: 11/descanso. CD 14.
Unarmored Movement: Deslocamento +6m. Pode andar sobre superfícies verticais e sobre líquidos sem cair durante o movimento.
Monastic Tradition: Way of the Open Hand
Slow Fall: Reduz dano de queda por 55.
Extra Attack: Quando realiza ação de Ataque, faz um ataque adicional.
Ki-Empowered Strike: Ataque desarmado conta como mágico.
Evasão: Quando realizar TR de Destreza para reduzir dano a metade, não toma dano se passar e só metade do dano se não passar.
Purity of Body: Imune a doenças e venenos.
Tranquility: No final de um Descanso Longo, Lletor estará sob efeito de Santuário, até o início de seu próximo Descanso Longo. A CD é 16.

Ações

Ataque: Desarmado +9 (1d8+5)
Flurry of Blows: Ação Bônus: se usou ação de ataque, pode fazer dois ataques desarmados. Consome 1 Ki.
Patient Defense: Ação Bônus: pode usar a ação Defesa. Consome 1 Ki.
Step of the Wind: Ação Bônus: pode usar as ações Dash ou Disengage. A distância de pulo é dobra neste turno. Consome 1 Ki.
Deflect Missiles: Reaction. Reduz dano de um ataque a distância com armas por 1d10+4. Se reduzir dano a zero, pode gastar 1 Ki para lançar em um inimigo a distância (6m/18m), com um ataque a distância com Proficiência.
Stunning Strike: Quando acertar um inimigo, pode gastar 1 Ki para tentar atordoar, o alvo faz TR de Constituição ou ficará atordoado até o final de seu próximo turno.
Stillnes of Mind: Ação. Retira um efeito de Charmed ou Frightened.
Open Hand Technique: Quando atingir um inimigo com um dos ataques extras de Flurry of Blows, este sofrerá um dos efeitos: Cai se falhar em um TR de Destreza; Empurrado até 4,5m se falhar em um TR de Força; ou perde Reações até o final do próximo turno de Lletor.
Wholeness of Body: Ação. 1/Descanso Longo. Recupera 33 PVs.

Talentos (3)

Magic Initiate: Conhece Shocking Grasp e Firebolt. 1/dia pode conjurar Shield.
Ritual Caster: Você tem um livro de rituais de Mago e pode copiar outras magias com tag Ritual, usando 50 POs por nível da magia e 2 horas por nível da magia. Você pode conjurar estas magias como rituais. Ainda, você pode conjurar Rituais.
Ki Ritualístico: Você pode executar, com uma Ação, rituais do tipo Encanto ou Curtos com a qualidade Adiável. Para tal, o monge gasta um número de pontos de Ki igual ao nível do Ritual.

Itens e Outras Habilidades

Faixas do Ki: Artefato Lendário. “Luvas”. Enquanto usando as Faixas do Ki, o ataque desarmado de Lletor é considerado uma arma mágica +1. Lletor pode usar uma habilidade do monge que utilize Ki (de qualquer Caminho e nível) como se a conhecesse e sem gasto de Ki; após usar esta habilidade, role 1d6 e um resultado de 1-4 não permite mais a sua utilização neste dia.

Magias

CD: 14 para as de Mago, 16 para os Rituais
Ataque: +8
Cantrips: Shocking Grasp, Firebolt.
Preparadas: Shield (1/dia). Rituais: Alarm, Illusory Script, Identify, Tenser´s Floating Disk, Gentle Repose, Magic Mouth, Feign Death, Leomund´s Tiny Hut, Phantom Steed, Water Breathing, Contact Other Plane, Rary´s Teleathic Bond, Drawmij´s Instant Summons, Ritual de Proteção contra o Dia das Sombras Malditas, 1º Selo do Fogo, 1º Selo da Água, 1º Selo da Terra, 1º Selo do Ar, 2º Selo do Fogo (Erupção Flamejante), 2º Selo da Água (Duelo Fluido), 2º Selo da Terra (Proteção da Montanha), 2º Selo do Ar (Ciclone), 3º Selo do Fogo - Suzaku, 1º Selo da Água - Seyryu, 1º Selo da Terra - Genbu, 1º Selo do Ar – Byakku, Embalsamar, Curativo Rápido, Comunhão Espiritual, Possessão Reversa
Máximo de Rituais Adiáveis: 4

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License